A forma como os diferentes grupos humanos e sociedades regulam ou controlam as condutas relacionadas com o cultivo, preparo, distribuição, comércio, consumo etc de cannabis e derivados para os diferentes fins variou bastante ao longo da história. A erva nunca foi proibida totalmente em nenhum período histórico a não ser no séc. XX, após uma intensa campanha midiática que associou seus efeitos com a criminalidade e a loucura entre os anos de 1920 e 1950.

Até o final do séc XIX e início do séc. XX as políticas públicas e lei sobre maconha ou outras drogas eram temas que diziam respeito apenas à política interna das Nações. A partir dos conflitos e disputas entre China e Inglaterra que ocorreram em meados do séc XIX, período denominado como Guerra do Ópio, foi criado um acordo entre diferentes países de que haveriam periodicamente reuniões internacionais para discutir e regulamentar a produção e o comércio internacional de drogas medicinais que também têm propriedades psicoativas. Inicialmente essas reuniões debateriam apenas as questões relacionadas com a produção e comércio do ópio e derivados, interesse motivador da criação desse espaço de debate entre as nações. Porém, com o passar dos anos, cada país passou a acrescentar seu próprio rol de preocupações e interesses nesse fórum permanente de construção de políticas públicas internacionais sobre drogas.

A primeira reunião entre diferentes países buscando a regulação e controle da produção e comércio de alguma das substâncias e plantas medicinais com propriedades psicoativas ocorreu em 1909, ficou denominada Conferência de Xangaí e ocorreu na China. Em 1912 ocorreu outro encontro, dessa vez em Haia, na Holanda, onde foi assinado um acordo no qual os países se comprometiam em criar regras e controles cada vez mais severos para diferentes plantas e substâncias. A partir daí muitos países passaram a usar esses encontros internacionais como motivo para criar leis e políticas públicas cada vez mais severas. Após vários encontros, em 1961, a cannabis foi finalmente proibida internacionalmente por um acordo entre diferentes países. Porém, muito antes disso diversos países já haviam criminalizado o cultivo, comércio e consumo da erva, a exemplo do Brasil (1932) e dos EUA (1937). Atualmente cada país têm leis e políticas específicas para lidar com cada um dos aspectos relacionados com o consumo de cannabis: recreativo, medicinal, religioso e industrial (cânhamo). Vamos ver agora os principais países e as diferentes maneiras com que eles lidam com esse tema.

EUA

A Lei Federal criminaliza desde 1937 todos os usos da cannabis. Porém, em fevereiro de 2015 uma Lei regulamentou o cultivo e exploração industrial do cânhamo (variedades genéticas com menos de 1% de THC). Além disso, desde a década de 1990 que diversos estados criaram leis estaduais e municipais que aos poucos vêm regulamentado os usos medicinais e recreativos em diferentes regiões do país. Atualmente já é possível comprar maconha legalmente em muitas cidades dos EUA, tanto para fins medicinais como para recreativo. Cada estado e cidade têm portanto leis e regras próprias com relação ao tema. Enquanto em algumas já é possível comprar maconha em lojas, noutros a simples posse da erva ainda é considerava uma infração à Lei Federal de Entorpecentes.

Uruguai

Oficialmente o Uruguai é o único país do mundo a legalizar totalmente em nível federal a cadeia produtiva da maconha para fins recreativos, o que ocorreu com a entrada em vigor da nova Lei em 2014. No entanto, na prática, a regulamentação ainda está em processo de implantação e a primeira colheita deve começar a ser vendida a partir do segundo semestre de 2016. Por enquanto só quem poderá comprar são os cidadãos uruguaios ou residentes, sendo vedado à turistas. A maconha oficialmente será vendida nas farmácias. Por enquanto a única maneira de acesso legal é se cadastrando em um dos inúmeros clubes de usuários que cultivam e distribuem entre os associados sem interesse de lucro. Segundo a nova Lei serão apenas um número restrito de produtores autorizados a cultivar e vender cannabis para fins recreativos, a preços bem baixos, para competir com o mercado ilegal. Após a implantação da regulamentação do mercado recreativo o próximo passo são os mercados para fins medicinais e industriais, que ainda está sendo debatido pelas autoridades.

Paraguai

Apesar de cultivar grande parte do que é consumido no mercado ilegal brasileiro o Paraguai continua adotando uma política proibicionista e manter a criminalização do cultivo, produção e consumo de cannabis e derivados. Segundo estudos, cerca de 60% do que é consumido no Brasil é oriundo de plantações paraguaias e mais de 90% do que é cultivado no Paraguai tem como destino o mercado brasileiro. No Paraguai, segundo a Lei 1340/88, a simples posse de maconha pode render pena de 5 a 15 anos de reclusão, enquanto o crime de cultivo ou comercialização pode gerar pena de reclusão de 10 a 20 anos.

Argentina

Em 2009 a Suprema Corte julgou como incostitucional a acusação de crime pela conduta de posse para uso pessoa, num caso específico que envolvia uma pequena quantidade de maconha. Desde então a imprensa em diferentes países, incluindo o Brasil, noticiou erroneamente que a Argentina havia legalizado ou descriminalizado o uso de drogas, quando na verdade ainda está mantido o que vale na Lei 23.737, que prevê pena de 1 a 6 anos para a posse de drogas para uso pessoal. É claro que uma decisão na Suprema Corte ajuda muito a orientar a postura dos operadores da Lei e dos Juízes e Promotores, mas é algo muito distante de uma regulamentação ou legalização. A Argentina mantém uma política proibicionista e criminaliza o cultivo e porte para uso pessoal, ainda que haja muito mais abertura cultural e tolerância para com os consumidores da erva.

Chile

A Lei 20.000 que entrou em vigor em 2005 descriminalizou o uso de drogas e na prática tornou as condutas relacionadas com o consumo pessoal legais em todo país. Desde então os usos medicinais vêm sendo regulamentados e o cultivo pessoal ou coletivo para esse fim já é legal e exige apenas uma licença do Serviço Agrícola do Chile. Entre 2014 e 2015 o país passou por novo processo de regulamentação e atualmente já é permitido o cultivo doméstico para fins recreativos também.  

Portugal

Portugal descriminalizou a posse para consumo pessoal de todas as drogas em 2001, mas nunca cogitou a possibilidade de legalizar ou regulamentar o cultivo, produção, comércio ou consumo. A política de descriminalização das drogas teve impacto direto na diminuição da violência e na melhoria da qualidade de vida dos usuários que têm problemas com drogas.

Índia

Os usos religiosos da cannabis e os usos tradicionais para fins medicinais nunca foram considerados ilegais na Índia, o que faz com que até hoje o país seja um dos que têm a legislação mais tolerante com relação aos usos da erva em todo continente asiático. Apesar dessa licitude dos usos religiosos assim as praticas de cultivo, produção, comércio e uso para fins recreativos é considerado ilegal, ainda que seja muito tolerado socialmente.

Holanda

Por lei o consumo de maconha e outras drogas não é considerado crime. Mas não há qualquer tipo de Lei ou regulamentação dizendo como serão as regras para cultivo, produção, distribuição etc. No caso da maconha, desde a década de 1970 foram se estabelecendo acordos entre as autoridades policiais, as justiças locais e outras autoridades administrativas de algumas cidades holandesas e desenvolveram o sistema conhecido como “Coffee Shops”, que vendem pequenas quantidade de maconha e haxixe para pessoas maiores de 18 anos. As regras para os “coffee shops” variaram de acordo com o período histórico, os partidos no poder, economia, dentre diversos fatores, mas no geral eles seguem 3 regras básicas: 1) só vendem para maiores de 18 anos no máximo 5 gramas por dia; 2) Só vendem maconha ou haxixe, nenhum outro tipo de drogas, atualmente nem tabaco é permitido; 3) Não podem causar qualquer tipo de problema ou distúrbio à vizinhança. Atualmente também eles respeitam uma distância mínima entre os estabelecimentos e escolas, que varia de acordo com o município.

Espanha

A Espanha nunca criminalizou as condutas relacionadas com o consumo pessoal, apenas aquelas relacionadas com o cultivo, produção e distribuição com interesse comercial. Com base na legalidade das condutas relacionadas com o uso na esfera privada os ativistas espanhóis na década de 1990 começaram a se organizar em associações de usuários, clubes de consumidores e coletivos de cultivadores. Desde então diversas batalhas judiciais têm sido travadas, muitas delas com êxito, o que tem consolidado um cenário no qual a maconha ainda é ilegal, já que não está previsto em Lei nem regulamentado modos para cultivar, produzir ou distribuir para fins recreativos. Porém na prática há inúmeras instituições cultivando, produzindo e distribuindo cannabis e derivados sem fins lucrativos, aproveitando a brecha da lei e os precedentes jurídicos.

Brasil

Segundo a Lei 11.343, em vigor desde outubro de 2006, é crime condutas relacionadas tanto com o consumo, quanto com o comércio ou produção de drogas para fins de lucro. No entanto, por Lei as condutas relacionadas com o consumo não têm pena de reclusão prevista em hipotese alguma, mesmo nos casos de cultivo ou produção para uso pessoal. Porém, na prática, a maneira como tem se dado a aplicabilidade da Lei tem variado de acordo com as condições sócio-econômicas dos sujeitos envolvidos, da sua cor, do bairro no qual ocorreu o flagrante e inúmeras condições que variam de caso a caso, mas que sempre refletirão as desigualdades e injustiças do nosso país. Na pratica temos vistos pessoas com pequenas quantidades sendo presas e processadas sob acusação de tráfico e outras, com quantidades tão grandes quanto meia tonelada de pasta base num helicóptero, não responderem nenhum processo. Com relação ao uso medicinal a Lei 11.343 prevê que a União pode autorizar todos os usos para fins medicinais e científicos, porém, na prática pouco tem avançado no sentido de regulamentar essa matéria e de fato proporcionar o florescimento dos usos medicinais no país. Quase a totalidade dos pacientes têm tido que importar a altos custos toda medicação que têm utilizado por causa do cenário restritivo encontrado no país

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.