No Brasil, infelizmente, ainda são comuns notícias de usuários sendo presos com pequenas quantidades de cannabis, mas principalmente cultivadores, mesmo que muitas vezes esse cultivo seja para fins medicinais ou próprios. Entretanto, a detenção que mais chamou a atenção da grande mídia, e fez o movimento se unir em uma campanha clamando por liberdade e descriminalização, foi a do professor de tecnologia da informação, Sérgio Delvair da Costa, mais conhecido como THCProcê, que compartilhava seu vasto conhecimento em cultivo através de um canal no Youtube, que hoje conta com mais de 51 mil inscritos.

De forma simples e transparente, sem esconder o rosto, THCProcê se tornou um ícone de resistência quando ficou preso injustamente por mais de cinco meses em Brasília. Seu crime, era ensinar técnicas de jardinagem sobre a cannabis, assim como qualquer cultivador faria sobre outra planta, explicando através de vídeos, filmados na sua própria casa, todo o processo de escolha do melhor substrato, germinação das sementes, e técnicas para um autocultivo sustentável, sempre defendendo o plantar para não comprar.

Além disso, THCProcê fornecia sementes à pacientes que utilizavam a planta de forma medicinal, ensinando ainda em um dos seus vídeos, a extração de propriedades medicinais da flor prensada, tornando assim ainda mais acessível o tratamento de quem não tem condições de plantar, ou adqurir remédios à base de cannabis, todos eles importados. Seu ativismo também está presente em vídeos em que comente questões envolvendo a regulamentação por parte da Anvisa, e outros bate-papos informais que seus milhares de seguidores.

Quem acompanha a cultura canábica, certamente conhece um pouco de sua história, mas na 2ª edição do festival Ganja Talks – 30 anos do Verão da Lata, você vai conhecer toda a trajetória do THCProcê, sendo contada por ele mesmo, já que ele é mais uma atração confirmada no evento para o sábado, dia 29. Ele vai falar sobre essa difícil batalha contra a criminalização dos usuários e cultivadores, seus projetos, e opiniões sobre a cannabis no Brasil.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.