Sem dúvida alguma, as extrações de maconha vem ganhando espaço entre o usuários, tanto pela qualidade do fumo recreativo quanto pela grande importância na produção de medicamentos e variedade de tratamentos para pacientes.

Um sinal desse desenvolvimento é a expansão de mercado, com cada vez mais empresas e iniciativas comerciais mirando os consumidores de óleo. Companhias como Jungle Boys, Better Concentrates e EVOLAB estão entre as top players do mercado americano.

E sem surpresa, a comunidade canábica já conta com uma “cultura do óleo” que ganha cada vez mais formas com inovações nos processos e meios de obtenção desses produtos.

Para começar nosso ‘miniguia’, as extrações mais simples são chamadas de kief, que são obtidas como subproduto da manicure das flores e folhas da planta. Geralmente não apresentam grandes concentrações de THC mas são boas opções para medicamentos, principalmente quando obtidas através do método de dry sieve (dry sift).

O dry sift por sua vez, apresenta uma qualidade superior ao kief pelo método de extração, feito com telas especiais que filtram os tricomas e a resina da planta, deixando um produto mais limpo e potente. As formas mais puras de dry sift são chamadas de full melt, devido ao derretimento imediato em contato com o fogo.

Já os haxixes, pertencem à categoria mais popular em relação à extrações canábicas. Seus métodos de obtenção são inúmeros, desde o artesanal, como o charas e o marroquino, até os mais elaborados como Ice-O-Lator, os haxixes fazem parte de uma cultura milenar, principalmente em países árabes e asiáticos.

Um outro tipo de extração, mais recente dentro da cultura canábica, é o BHO ou Butane Hash Oil, obtido através de um processo de infusão das flores com gás butano, o que consiste em um produto de boa qualidade, porém, se produzido de maneira incorreta, pode levar a acidentes e contaminação do óleo final. É considerado um método para produtores mais experientes e profissionais.

Ainda, extrações mais novas como o RSO (Rick Simpson Oil) e o Supercritical CO2 estão entre as melhores opções para uso medicinal. O RSO é usado para uso tópico e obtido através do processamento de toda a planta, inclusive caule e galhos, enquanto o Supercritical é obtido através da infusão de CO2 líquido em alta pressão, com a vantagem de não gerar resíduos como o BHO.

Por último, as extrações mais populares do mercado como shatter, crumble, wax, entre outros, podem ser obtidos através de inúmeros métodos desde o BHO ao rosin, no qual os buds são prensados a alta temperatura, resultando em uma extração limpa e com alto teor de terpenos e THC.

Com o panorama acima apresentado, o crescimento do mercado de extrações mostra mais do que uma simples expansão de variedades, e num futuro a longo prazo, pode representar a maioria do consumo de cannabis entre os usuários, superando o tradicional baseado e os cachimbos e bongs.

Quer saber mais sobre extrações sem solventes? Confira o mini curso online e gratuito desenvolvido pelo Ganja Talks University e apresentado por Marcus Bubbleman, referência no assunto.

Fontes: https://www.medicaljane.com/category/cannabis-classroom/extractions-methods/#types-of-cannabis-extracts

https://www.leafly.com/news/cannabis-101/what-is-rick-simpson-oil

https://medium.com/meetharmony/cannabis-extractions-the-complete-guide-151edb382d65

Imagens: thebudguru.com/; pinterest.com/; leafly.com/

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.