A revolução verde já avançou e a prova disso é o interesse que grandes nomes do mercado de entregas têm demonstrado quando o assunto é cannabis. 

Recentemente, a Amazon adotou postura flexível, ao decidir parar de testar seus colabores para cannabis. A gigante mundial de distribuição emprega cerca de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, e nos últimos anos enfrentou ações judiciais de trabalhadores que foram demitidos por usar cannabis medicinal, de acordo com a lei federal.

A mudança de um dos maiores empregadores dos Estados Unidos tende a promover redução significativa no número de trabalhadores ameaçados de demissão por serem usuários de cannabis em seu tempo pessoal e livre, quando não estão em atividades de trabalho. Afinal, quem usa maconha consegue ser um trabalhador saudável, feliz e produtivo ao mesmo tempo que é um usuário. 

Além da benfeitoria social, a postura tende a ser um grande negócio. As leis estaduais estão mudando nos EUA e já não é mais cabível agir como no passado, quando muitos empregadores, inclusive eles, desqualificavam pessoas aos cargos de trabalho quando testavam positivo para o uso de cannabis. 

A partir de agora, a questão da cannabis será tratada da mesma forma como trata o uso de álcool. Contudo, isso não exclui as práticas de verificação de deficiência no trabalho, bem como a atuação com testes para todas as drogas, incluindo cannabis e álcool, após qualquer incidente.

Outro fator de destaque é a manifestação do lobby que a Amazon pretende aplicar no Congresso, para aprovação do projeto de lei que legalizaria a cannabis federalmente. O projeto foi apresentado na semana passada. 

Importante ressaltar que a Amazon é hoje a maior empresa do mundo, avaliada em mais de $400 bilhões, e sua postura não proibicionista representa um forte avanço na maior aceitabilidade da cannabis. 

Esse movimento é acentuado quando recordamos que, há pouco tempo, outro grande nome do mercado de entregas também demonstrou interesse no mercado verde.

Em março deste ano, o CEO do Uber, Dara Khosrowshahi, disse à CNBC que sua empresa exploraria a entrega de cannabis se houvesse a legalização em nível federal nos Estados Unidos.

A Green Rush está mais forte do que nunca e, cada vez mais, os impactos dessa revolução alcançam mais pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.