Orange Bud, Purple Haze, Blue Dream, White Widow são algumas strains que levam sua cor característica no nome, mostrando que nem sempre o verde predomina nas flores da cannabis.

A cor é um aspecto importante na hora de avaliar a maconha, mas qual seria a explicação para tamanha variedade?

(Imagem: Diyahna Lewis | Unsplash)

A resposta está na genética e no período de floração de cada variedade da planta. As substâncias responsáveis pela coloração diferenciada das flores são chamadas antocianinas, e são encontradas em milhares de outros frutos, como morango, amora, mirtilo e jaboticaba. As principais cores produzidas pelas antocianinas são o vermelho, azul e roxo, e são determinadas pelo pH das plantas.

Essas substâncias fazem parte de um grupo de quase 400 tipos de moléculas de pigmento solúveis em água chamadas de flavonóides, e muitas delas são benéficas para o organismo humano, se utilizadas de maneira correta e responsável. Os flavonóides geralmente tem coloração amarela, o que pode ser observado também em diversas cepas de cannabis.

(Imagem: Esteban Lopez | Unsplash)

As cores começam a aparecer de maneira mais intensa na segunda metade da floração, quase no estágio final de vida da planta.

Outro fator fundamental para a mudança de cor é a temperatura. Quanto mais baixa a temperatura, mais inibida a atividade fotossintética da planta fica, ativando a mudança de cores. Esse fenômeno é conhecido como “efeito outono”.

(Imagem: reprodução High Times)

O pH ideal para o crescimento e floração da cannabis é de 5,5 a 6,5 e dentro desse espectro ela se tornará verde, em diferentes tons. Para variar a cor, basta variar o pH do meio no qual a planta está sendo cultivada durante o período de floração.

As cores mais comuns e simples de se conseguir, além do verde, são o roxo e o azul. Algumas strains contém tantas antocianinas que não é preciso mexer na temperatura para se chegar na coloração, são os casos da Purple Haze e da Blue Dream, por exemplo.

(Imagem: Purple Haze | reprodução California Cannabis Dispensary)
(Imagem: Blue Dream | reprodução Imperial Chemical & Allied Stores)

Já as colorações amareladas, laranja e douradas, presentes em strains como Colombian Gold, Orange Bud e Chronic são adquiridas em meio alcalino e aparecem por conta de outro grupo de flavonóides, chamado de carotenóides.

(Imagem: Orange Bud | reprodução MFALME)
(Imagem: Chronic | reprodução Leafly)
(Imagem: Colombian Gold | reprodução Royal Seed Bank)

Outras colorações mais raras, como rosa, vermelho ou preto podem aparecer, mas dependem da experiência do grower e de cruzamentos genéticos.

(Imagem: Pinkleberry | reprodução Green Source Gardens)
(Imagem: reprodução High Times)

Algumas strains são conhecidas por sua coloração escura, sendo chamadas de Black Weed, mas são extremamente raras.

(Imagem: Black Mamba | reprodução Merry Jane)

Mais uma mostra da beleza e diversidade que a cannabis tem.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.