Os comestíveis de maconha foram, por muito tempo, conhecidos por chapar bem mais do que os outros métodos de consumo.

Mas, com a regulamentação da erva, os edibles estão ganhando força na área medicinal.

edibles-1

Em teoria, os edibles são qualquer alimento ou até mesmo bebida infundidos com maconha (ou canabinóides isolados):

  • brownies, cookies, bolos e brigadeiros infundidos com a erva (os edibles mais conhecidos para chapar)
  • gummies e pirulitos com os canabinóides ou só com CBD ou apenas THC (mais usados para fins terapêuticos)
  • bebidas infundidas com tetrahidrocanabinol ou com canabidiol

Os comestíveis são processados no estômago e no fígado, enquanto a cannabis fumada ou vaporizada entra nos pulmões e é absorvida diretamente na corrente sanguínea. Isso significa que os efeitos dos comestíveis demoram muito mais para entrar em ação, pois precisam ser digeridos e metabolizados primeiro. Por causa disso, eles são mais potentes e duram mais do que a maconha fumada ou vaporizada.

Os efeitos dos comestíveis tendem a atingir o pico 1-2 horas após o consumo e se dissipam em 2-3 horas, enquanto os efeitos da cannabis fumada tendem a atingir o pico em 10 minutos e se dissipam rapidamente nos 30-60 minutos seguintes.

Os comestíveis podem ser fortes, mas em comparação com a maconha vaporizada, eles entregam uma concentração menor de canabinóides na corrente sanguínea. A ingestão de comestíveis leva apenas 10-20% dos canabinóides ao plasma sanguíneo, enquanto a cannabis fumada/vaporizada chega a 50-60%.

Outra diferença importante dos edibles é que podem ser uma opção mais saudável do que vaporizar a erva (no baseado, no bong, no pipe…), pelo fato de você ter a possibilidade de consumir a cannabis sem inalar fumaça.

Muitas pessoas consideram os comestíveis seguros, discretos e eficazes. Porém, os edibles oferecem os mesmos benefícios da planta do que outras formas de consumo.

Mas, como mencionado, eles costumam ser mais potentes, por isso dependendo da quantidade consumida, pode haver alguns efeitos adversos. Os efeitos aumentam à medida que a dose aumenta. Com os comestíveis vale aquela máxima: ”menos é mais”.

Brownies medicinais

Curiosamente, os edibles, uso medicinal da maconha e legalização na Califórnia tem algo em comum: os brownies mágicos de Mary Rathbun.

Na década de 1980, Mary Rathbun era voluntária em um hospital de São Francisco, Califórnia. Na época, a OMS declarou que o vírus HIV era epidêmico, devido ao alto número de contágios. 

Os medicamentos para o HIV, disponibilizados no início da década de 1980, apresentavam efeitos colaterais graves e, às vezes, debilitantes.

A perda de apetite e de peso, além de dores, eram os sintomas mais comuns dos pacientes, que além de sofrer com a doença, também sofriam com o estigma associado ao HIV (principalmente devido às formas de contágio). 

Vendo o sofrimento dos pacientes, ”Brownie Mary”, como ficou conhecida, passou a oferecer brownies canábicos para tais pacientes. 

Eles diziam que os brownies ajudavam com as dores e a melhorar o apetite (bem como a perda de peso). Mary também ouviu que seus brownies ofereciam alívio para pacientes com câncer submetidos a tratamentos de quimioterapia.

Porém, na mesma época, a Guerra às Drogas estava no seu auge, portanto, o uso de maconha era veementemente proibido.

Nesse contexto, Mary, junto com o ativista Dennis Peron, começou a lutar pelo direito ao acesso da maconha para pacientes que sentiam alívio para suas condições.

Em 1991, Rathbun e Peron uniram forças para aprovar uma medida que tornaria a maconha para fins medicinais disponível em São Francisco. A medida ficou conhecida como Propostion P e foi aprovada com quase 80% de apoio. 

Cinco anos depois, em 1996, foi aprovada a Proposition 215, tornando a Califórnia o primeiro estado norte-americano a legalizar a maconha para fins medicinais. 

Essa história é muito marcante para mostrar os benefícios dos comestíveis de maconha como um tratamento para condições médicas.

Efeitos

Como mencionado, os edibles proporcionam os mesmos efeitos que a maconha usada em outras formas.

Mas, já existem alguns comestíveis feitos só com CBD ou com baixa dosagem de THC para oferecer determinados benefícios e não, necessariamente, deixar @ usuá[email protected] muito chapado (como acontece com os clássicos ”brownies mágicos” ou ”brisadeiros”).

Os benefícios dos edibles mais conhecidos são:

  • Para relaxamento e ansiedade

Um dos efeitos mais conhecidos da maconha é o relaxamento. Ao consumir os edibles – que costumam ser potentes – o relaxamento vai para outro nível.

No caso da ansiedade, o THC pode desencadear essa sensação em algumas pessoas. Mas, o CBD tem efeitos anti-ansiolíticos. Portanto, comestíveis com CBD são recomendados para cuidar da ansiedade.

Um estudo de 2019 relata que mais de 79% das pessoas com ansiedade ou problemas de sono que tomaram CBD experimentaram uma diminuição dessas condições.

  • Para dor

O CBD também pode funcionar como analgésico, além de ter propriedades anti-inflamatórias. O que o torna um tratamento popular entre aqueles que sofrem de dor crônica.

Mais uma vez, para quem não quer fumar a erva, os comestíveis (ou óleos, também ingeridos por via oral) são ótimos para aliviar dores.

  • Condições medicinais diversas

Outros benefícios dos comestíveis são seus efeitos contra espasmos musculares, contra convulsões, contra perda de apetite – para citar apenas alguns.

Efeitos adversos

De forma geral, a maconha pode interagir com álcool e alguns medicamentos, como anticoagulantes. Essas interações podem intensificar os efeitos do THC ou interferir nas ações dos medicamentos. E os edibles podem potencializar isso.

Além disso, quando se consome uma quantidade muito alta dos comestíveis, principalmente os ”caseiros”, é possível que sejam experienciadas sensações desconfortáveis como: paranóia, náusea, ataques de pânico, forte diminuição da cognição.

Porém, com a regulamentação da maconha em um maior número de lugares, os edibles feitos e vendidos por empresas devem atender requisitos e padrões de qualidade, originando, inclusive, medicamentos na forma de comestíveis.

O importante é sempre saber o que se está consumindo, qual a finalidade e uma baixa dosagem.

Você gosta de comestíveis de maconha?

Ao fazer check in no Who is Happy, você pode compartilhar (de forma anônima ou pública) qual método você está consumindo a erva: pipe, bong, edibles…

Baixe o app, faça seu check in e compartilhe felicidade com a comunidade mais verde que existe!

Fonte: Medical News Today

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.