Se você sempre pensou em começar um cultivo, aqui estão algumas dicas fáceis para iniciar essa jornada e ter seu grow em casa.

O cultivo de cannabis pode ser definido como uma arte, uma ciência ou como uma combinação alquímica das duas.

O cultivo exige paciência e dedicação, mas os retornos valem a pena e [email protected] growers acabam se apegando às plantinhas, o que leva a um cultivo saudável e com ótimos resultados.

Não é difícil desenvolver um grow doméstico, principalmente se você vive em um local onde o auto cultivo é permitido.

Mas não sejamos hipócritas: por mais que no Brasil a lei não permita, sabemos que as pessoas acabam cultivando. É a mesma coisa com o consumo e porte: não são permitidos no país, mas todo mundo faz e acaba correndo um risco (às vezes maior, às vezes menor).

Vamos às dicas!

Primeiro passo: definir se será indoor ou outdoor

Na maioria das vezes, a resposta para isso é uma questão de situação e oportunidade.

Por exemplo, no Brasil, por questões de segurança, o mais indicado (e optado) é o cultivo dentro de casa. Mas, se você tiver a possibilidade de cultivar outdoor sem maiores problemas, essa pode ser uma boa opção.

Cultivar dentro de casa é mais caro devido ao custo dos equipamentos, eletricidade e água.

Se você estiver disposto a fazer esse investimento, no entanto, a recompensa virá na forma de poder controlar praticamente todos os elementos do ambiente de cultivo.

Por outro lado, se escolher o cultivo outdoor, você terá menos gastos, já que utilizará o sol e recursos naturais para o grow. Mas aqui tem um detalhe importante: caso você opte pelo outdoor, você vai precisar plantar em um lugar que tenha uma boa incidência de sol.

Além desses fatores, para te ajudar a decidir (caso você tenha poder de escolha para o grow), especialistas afirmam que a cannabis indoor pode ser mais potente, enquanto a outdoor pode garantir maiores rendimentos.

Depois de decidir por indoor ou outdoor, você precisará dos utensílios para o cultivo.

Outdoor: além de um local com muito sol, você vai precisar da semente, terra e vasos (caso você já tenha um espaço com terra e grama na sua casa, você pode plantar diretamente).

Indoor: aqui você também precisará de vasos, terra e semente. Além disso, será necessária uma estrutura para colocar suas plantas, a ventilação e as luzes. Você pode comprar essa ‘estrutura’ pronta, tentar adaptar um móvel na sua casa ou até mesmo encomendar em alguma marcenaria. Por fim, será preciso ter ventilação e luzes.

Segundo passo: sementes

Decidir qual variedade cultivar é outro marco importante na criação de um cultivo caseiro bem-sucedido.

Quando for comprar sementes, tente se informar sobre rendimentos, como ela se comporta em ambientes específicos – dependendo da região que você mora, duração do cultivo, dificuldade de cultivá-la e perfil da genética (já que você vai ter uma boa colheita, é bom escolher uma strain que você goste).

Além disso, aqueles que buscam um cultivo rápido, podem querer cultivar as automáticas: uma variedade de cannabis que muda automaticamente de um estado de crescimento vegetativo para um de floração quando atinge uma certa idade.

Como uma planta de fotoperíodo, o ciclo de floração da cannabis é normalmente determinado pela quantidade de luz solar natural que recebe, mas as automáticas podem ter um crescimento acelerado – especialmente em um ambiente interno.

Também existe a possibilidade de guardar as sementes boas que vêm no meio do prensado e tentar germinar! Claro que vai ser um ”cultivo na sorte”, já que você não sabe qual genética deu origem a essa maconha. Mas pode funcionar.

Evite sementes danificadas, muito macias, pálidas ou verdes. Essas não estão maduras o suficiente para iniciar o processo de germinação e podem nem germinar.

É recomendada a escolha de sementes com coloração marrom escuro, no formato de gota e envoltas em uma casca dura.

O que você terá que saber na sorte é se a semente é de uma planta macho ou fêmea.

Outro ponto de atenção ao usar sementes do prensado é: se você descobrir que uma é macho e a outra é fêmea, você precisará separá-las no grow, para elas não hermafroditarem.

Se sua planta hermafroditar, ela produzirá flores e sementes, e o rendimento será baixo. O lado bom é que você terá mais sementes.

Terceiro passo: começando a cultivar

Agora que você tem o “onde e o quê”, está na hora de colocar a ‘mão na massa’ – ou na terra.

Se você começar com uma semente, precisará esperar que ela germine em uma muda. Alternativamente, se disponível, você pode optar por um clone: ​​essencialmente um corte da cannabis, ao ser replantado, manterá a mesma genética de sua mãe.

O ciclo de crescimento da cannabis faz com que a planta passe por um longo estágio vegetativo antes de – finalmente – começar a florescer e desenvolver botões.

Quando esse estágio de floração chegar, pode levar até dois meses antes que você esteja pronto para colher, aparar, secar e, finalmente, curar suas plantações.

Durante esse período, suas principais responsabilidades são fornecer às suas plantas tudo o que elas precisam para florescer.

Em termos práticos, este trabalho equivalerá principalmente a garantir que seu cultivo receba a luz, água, nutrientes, temperatura, umidade e fluxo de ar adequados.

Se você quiser acompanhar de perto um grow, antes de começar o seu, os especialistas da Dragonfly Earth Medicine ensinam na prática!

Se inscreva no Ganja Talks University, assista às aulas, veja de perto como funciona um cultivo e comece o seu grow!

Fonte: Cannabis Now

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.