Autora do livro “Diário de uma Mãeconheira”, a escritora, pesquisadora e ativista Maíra Castanheiro é a porta-voz da campanha “As Marias Proibidas” para o dia das mães.

A ação, em colaboração com a Bem Bolado Brasil, traz o debate de temáticas como maternidade, racismo e drogas.

(Imagem: Maíra Castanheiro por Cristina Souza)

Com uma narrativa literária e de maneira informal, a campanha apresenta conteúdos informativos e educativos sobre os temas, além de trazer histórias reais de “marias proibidas”, que são as mães que tiveram suas maternidades limitadas e ou ameaçadas por serem usuárias da cannabis e outros.

Dividida em 5 posts, a ação fala sobre o que é ser uma mãeconheira, como isso acontece, quem são as “marias proibidas”, e a relação entre maternidade, drogas e racismo.

Ao final, a campanha ainda será realizado um especial dia das mães, com indicações de livros escritos por mãeconheiras e um manifesto criado por elas.

Os conteúdos estarão disponíveis no blog e redes sociais da Bem Bolado Brasil.

Além desse primeiro post já divulgado, confira um trecho do texto escrito por Maíra e publicado no blog da Bem Bolado:

SER MÃECONHEIRA: DA GESTAÇÃO PARA GASTAÇÃO ATÉ GERA AÇÃO

”Nós, mulheres e mães, precisamos contar nossa história e este processo de fazer história já desata alguns nós. São nós de marinheiros. Mas, a cada parto a gente desata um pouco este nó. Cada uma com sua onda que quando se junta é para sol mar. Até porque mãe é mar de tanto a-mar-go. Nós mães estamos conquistando a dor e a delícia de ser só. Estamos gozando. Estamos usando nossas drogas, ouvindo nossos discos, cuidando de nossos filhos, estando com nossos amigos e buscando criar nossas crianças e nossas criações.

E ser mãeconheira é a maternidade que mais me adequa. Esta planta verde verdade tem uma história tão antiga quanto as mães. Tá desde o início essa treta: são muitos anos que estão nos proibindo – nós, seres femininos vivos resistentes e potentes. Porque o tempo passa e ela segue resistindo e flore-sendo, apesar dos pesares a pesar. Porque maconha mulher mãe, é só poder. Como diz a Nahbrisa, só as fêmeas dão onda.”

Você pode acompanhar toda a campanha no Instagram da Bem Bolado Brasil!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.